Inaugurado em 2010, o Hospital e Maternidade Municipal Dr. Odelmo Leão Carneio (HMMDOLC) comemora mais um ano de atividade neste dia 15 de novembro. Para continuar sendo referência em atendimento público hospitalar no Brasil, a Prefeitura de Uberlândia trabalha diariamente e sem medir esforços para que o marco na história da saúde da cidade volte a oferecer todos os serviços hospitalares de forma integral.

Com muita dedicação, foi restabelecido o funcionamento de mais de 100 leitos de internação que estavam fechados e feita a reabertura de uma ala de Unidade de Tratamento Intensivo (UTI). A recuperação de equipamentos parados (por falta de manutenção) e o aumento no número de procedimentos cirúrgicos ou exames (em pacientes que estavam aguardando devido à falta de aparelhos e insumos hospitalares) também é outra grande conquista a ser comemorada neste aniversário.

Unidade acreditada

Certificado em nível 2 pela  Organização Nacional de Acreditação (ONA), o Hospital e Maternidade Municipal Dr. Odelmo Leão Carneio atende aos critérios de segurança exigidos e apresenta gestão integrada, bem como qualidade nos serviços prestados.

Graças a essa avaliação, Uberlândia é a única cidade do Triângulo Mineiro com hospital público reconhecido no Brasil pelos serviços prestados. “Se hoje esta unidade é reconhecida por entidades e pelo segmento, se tem servido como modelo por suas boas práticas e trazido benefícios ao nosso povo, posso dizer que é graças a um trabalho sério, ao esforço de nossos profissionais e à transparência de uma gestão comprometida com a população”, destacou o prefeito Odelmo Leão.

A certificação das unidades de saúde é realizada por organizações externas de auditorias independentes, credenciadas para certificar os requisitos pré-definidos por uma metodologia da Organização Nacional de Acreditação.

Especialidades e capacidade de atendimento

O complexo do Hospital Municipal conta atualmente com 236 leitos, sendo 40 UTIs adulto e 10 UTIs neonatal e o projeto possibilita, ainda, a expansão da construção, podendo comportar até 500 leitos em uma segunda etapa.  São várias especialidades médicas oferecidas no complexo hospitalar: as chamadas clínicas (cardiologia, hematologia, infectologia, neurologia, nefrologia e nutrologia), cirúrgicas (geral, aparelho digestivo, torácica, vascular, urologia, ginecologia/obstetrícia, ortopedia e traumatologia), de pediatria/neonatologia e oftalmologia. O hospital conta ainda uma média de quatro profissionais por leito, o que garante maior atenção com a população de Uberlândia.

Reestruturação do HM

No início deste ano, o Hospital Municipal enfrentava a escassez de insumos hospitalares e estava com os equipamentos quebrados por falta de manutenção, o que prejudicava o funcionamento da unidade e impedia a internação de pacientes nos leitos que ficaram desativados. Com os esforços da nova gestão da Prefeitura Municipal de Uberlândia, foi possível adequar os estoques por meio de compras emergenciais e reestabeler o funcionamento de 10 leitos da UTI adulto.  Dos leitos 115 leitos de internação que estavam sem receber pacientes devido à ausência de materiais e medicamentos básicos, 107já voltaram a funcionare a prefeitura trabalha permanentemente para restabelecer o funcionamento em 100% da capacidade do HMMDOLC.

Além da reabertura dos leitos, a atual administração promoveu, também, a recuperação do aparelho de tomografia computadorizada, que estava parado desde julho de 2016 devido à falta de manutenções preventivas e corretivas (que não ocorriam desde o último semestre de 2015). Desde o retorno dos exames, em fevereiro, mais de 2.500 pacientes submetidos a exames no aparelho.

A atual gestão também conseguiu recuperar parte dos equipamentos que são fundamentais para o funcionamento do hospital, principalmente dos leitos de UTI, como bombas de infusão e monitores.

Mais de 5 mil intervenções cirúrgicas

Para reduzir o tempo de espera das pessoas que aguardavam por procedimento cirúrgico de necessidade ortopédica de urgência, além dos idosos que estavam nas Unidades de Atendimento Integrado (UAIs) aguardando por cirurgia de fratura de fêmur, a equipe médica do hospital realizou uma força-tarefa na ala cirúrgica no início deste ano. A iniciativa ajudou a reduzir em 79% o número de pessoas que estavam na lista de espera. Com isso, além dos procedimentos ambulatoriais, o Hospital Municipal realizou (até setembro) 5.244 intervenções cirúrgicas.

Acolhimento a mães e bebês

Em maio de 2011, o Hospital Municipal inaugurou a maternidade para continuar oferecendo assistência adequada à comunidade. No dia 8, por volta de 13h, o hospital registrou o primeiro nascimento. O momento ficou marcado na memória da Cristiane Silva Matos, mãe da Vitória.  “Cheguei na UAI Martins já em trabalho de parto e logo me encaminharam para a maternidade do hospital. Tive parto normal e fiquei dois dias aguardando para receber alta. Lembro como se fosse ontem que foi um atendimento excelente, com estrutura de primeira e equipe bem atenciosa, que ajudou muito com os primeiros cuidados. Tenho orgulho de fazer parte desta história”, relembrou.

Atualmente, a maternidade do Hospital Municipal Dr. Odelmo Leão Carneiro já registra mais de 20 mil nascimentos,bem como a redução de 64% na quantidade de cesáreas realizadas desde a inauguração. Contabiliza 31 leitos, além de outros 10 de berçário, 10 de UTI neonatal e dois de cuidados intermediários.

A porta de entrada à maternidade do Hospital Municipal é a Unidade de Atendimento Integrado (UAI) do bairro Martins, referência em saúde da mulher. Depois de ser atendida na UAI e encaminhada para o HMMDOLC, a gestante é avaliada pela equipe de obstetrícia, recebe orientação da equipe de enfermagem e é conduzida ao leito de pré-parto. São realizados exames necessários e avaliação das condições do bebê. Após o parto, a mãe é levada para um leito de alojamento com o bebê.

Os dois têm alta em 48 horas(geralmente) e saem com consulta marcada na rede para realização do teste do pezinho, da orelhinha e de icterícia. Lá a mãe ainda será acompanhada e receberá outras informações, como a maneira correta de amamentar, calendário de vacinação e quais cuidados devem ser tomados com os recém-nascidos.

Leito Canguru

Para aproximar os pais dos pequenos que acabaram de chegar ao mundo e estimular ainda mais rapidamente o desenvolvimento da criança nos primeiros dias de vida, o Hospital e Maternidade Municipal Dr. Oldemo Leão Carneiro passou a desenvolver desde junho de 2017, o Método Canguru - um modelo de assistência aos bebês prematuros e à família, que consiste em manter o contato pele a pele entre o recém-nascido de baixo peso e os pais ou outros familiares, favorecendo ainda o estímulo ao aleitamento materno.

Geruza Felicio de Oliveira, de 37 anos, estreou a unidade do ‘Leito Canguru’. A filha Rafaela veio ao mundo quando a comerciante estava para completar o oitavo mês de gestação. Com pouco peso e ainda frágil, a bebê teve que ficar na UTI neonatal do hospital. Como a pequena Rafaela não conseguia ganhar peso, foi aí que a equipe médica decidiu inseri-la no projeto.

“Minha filha saiu da UTI com 1,8kg e em poucos dias passou para 2,1 kg. Foi um desenvolvimento acelerado, que aconteceu em quatro dias, resultado que antes não estava sendo obtido com tanta rapidez. Além disso, ela desenvolveu a sucção e se mostrou mais atenta para as coisas que acontecem no entorno. É um trabalho fantástico, que envolve toda a equipe do hospital”, apontou Geiza na ocasião.

Estímulo ao parto normal e visita à maternidade

Paralelo ao ‘Leito Canguru’, que veio aprimorar a segurança e acolhimento dos pacientes atendidos no Hospital e Maternidade Municipal Dr.Odelmo Leão Carneiro, a Secretaria Municipal de Saúde de Uberlândia desenvolve, desde 2011, com as gestantes que fazem o pré-natal na rede pública, um trabalho de amparo, informação e estímulo ao parto normal, método mais benéfico para a mãe e o bebê.
Só que o Projeto de Estímulo ao Parto Normal (Pepan) não se resume apenas a reuniões e orientações. Aliado ao trabalho de grupo feito junto às gestantes que fazem acompanhamento nas Unidades Básicas de Saúde (UBS) e Unidades Básicas de Saúde da Família (UBSF), existe ainda a visita à maternidade.

A visita das futuras mamães acontece todas as terças-feiras, às 9h. Acompanhadas das agentes comunitárias e de uma enfermeira, as gestantes conhecem todas as etapas que serão realizadas quando derem entrada no hospital no dia de dar à luz. Passam pelas salas de cirurgia e de pré-parto (que é onde vão ficar até o nascimento do bebê) e até pelo setor de UTI Neonatal.

Trabalho não para

Além dos esforços para continuar oferecendo atendimento à população, a atual administração ainda busca ampliar os atendimentos no Hospital Municipal. Neste ano, durante a visita do Ministro da Saúde Ricardo Barros à cidade, o prefeito Odelmo Leão solicitou apoio e atenção especial em áreas consideradas importantes para a saúde de Uberlândia.

Na oportunidade, entregou um ofício ao ministro solicitando a liberação do Hospital e Maternidade Municipal para a realização de cirurgias oncológicas. O pedido possibilitará que mais uma unidade de referência da cidade possa oferecer serviços na área, aumentando o atendimento a população uberlandense.

O documento foi averiguado pela União e o HMMDOLC foi considerado apto para execução dos procedimentos. Agora, o pedido segue para o Departamento de Regulação, Avaliação e Controle do ministério, onde será avaliado. “Estamos no caminho para oferecer mais um serviço essencial à comunidade, já que esta habilitação é importante para que possamos ampliar o trabalho desenvolvido no hospital e maternidade. Sabemos que o município carece de uma estrutura para atendimento em cirurgia de câncer e é nosso papel dar assistência completa ao povo de Uberlândia”, finalizou o prefeito Odelmo Leão.

Veja os números do Hospital Municipal em 2017*

Internações - 7.911

Serviço de Apoio Diagnóstico e Terapêuticos (SADT) – ecocardiograma, ultrassonografia, tomografia e exames endoscópicos. - 15.780

Cirurgias (ambulatoriais e no Centro Cirúrgico) - 5.244

Partos - 2.339

Recuperação de equipamentos

- Tomógrafo
- 80 bombas de infusão
- 11 monitores multiparamétricos
- 5 Bombas de infusão
- 3 autoclaves
- 1 secadora de traquéia
- 1 videoduodenoscópio
- 1 broncoscopio
- 2 balanças pediátricas
- 1 bisturi elétrico

*janeiro a setembro de 2017

SECOM PMU